Muro de presídio no complexo do Curado é explodido e detentos fogem

image

Mais de cem detentos foragidos, 40 recapturados e dois detentos mortos. Estes são os números da fuga em massa do Complexo do Curado repassados pelo presidente do sindicato dos agentes penitenciários, João Carvalho. “O serviço de inteligência já havia conseguido debelar três tentativas de fuga anteriormente, mas deste vez não foi possível. Precisamos de mais investimentos em segurança nas penitenciárias”, cobrou Carvalho, em entrevista o Diário Pernambuco.

De acordo com João Carvalho, um documento oficial indica que o diretor do presídio alertou a Secretaria de Defesa Social e a Secretaria de Ressocialização, no dia 6 de janeiro, que a guarita 6 iria ser explodida. Das oito, só quatro tinham guardas. No momento da fuga, apenas dez agentes faziam a segurança de mais de 2 mil detentos. Ao todo, o Complexo do Curado conta com 7 mil detentos. A capacidade, no entanto, é de 1,340 vagas. No estado, são 32 mil presos, e o déficit de 21 mil vagas.

image

Um dos detentos morreu no Hospital Otávio de Freitas. O outro foi morto pela Polícia Militar ao entrar dentro de uma casa nas redondezas do presídio e fazer uma mulher refém. Nem a Polícia Militar, nem a Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) confirmam as informações do sindicato.

O dono da casa, Jessino Ananias Gonçalves, de 57 anos, afirma que a filha dele, de 22, estava sozinha quando o homem invadiu a casa com um facão. Quando Jessino chegou, o preso já havia sido atingido com um tiro na nuca. A filha está em estado de choque. “Eu moro há 13 anos aqui. Nunca ninguém tinha invadido minha casa”, contou o pai. A casa fica em frente à guarita que foi explodido

image

Dezenas de policiais militares estão na área e o clima é tenso. Foto: Renata Xavier/Cortesia

A explosão da guarita de segurança do presídio de Frei Damião ocorreu por volta das 14h deste sábado. O buraco já está sendo fechado. A Polícia Militar continua as buscas nos bairros vizinhos ao complexo. Muitas mulheres de detentos estavam dentro do presídio, já que hoje era dia de visita conjugal. Profissionais do Instituto Criminalística estão dentro do Complexo do Curado. Dezenas de feridos estão sendo levados para o hospital Otávio de Freitas e outros hospitais da Região Metropolitana do Recife.





Na última quarta-feira, uma fuga em massa semelhante ocorreu na penitenciária Barreto Campelo, quando o muro do local também foi explodido. Cinquanta e três detentos fugiram e, até agora, apenas 11 foram recapturados. Questionado se há conexão com a fuga em massa do Barreto Campelo, o coronel Aílton Araújo, diretor da metropolitana da PM, afirma desconhecer uma conexão. “Preso sempre quer fugir. Se houve lá, foi um estímulo natural”, disse.Tensão Na fuga, muitos presos tentaram invadir as casas de moradores da região. O clima de tensão predominou na área. O comércio e estações de metrô chegaram a fechar. “O fugitivio tentou subir o muro da casa, mas tinha aquelas estacavas que parecem uns pregos, identificaram a pulseira dele e renderam o cara até a vitura passar”, relata moradora do bairro Coqueiral. Itamaracá na noite da última quarta-feira, 53 presos da penitenciária Barreto Campelo conseguiram escapar do local. O “resgate” dos detentos foi possível após um grupo de suspeitos – ainda não identificados – iniciar um tiroteio contra os guardas da penitenciária. Enquanto havia a troca de tiros, outros comparsas abriram um buraco abaixo de uma guarita desativada com o uso de marretas por onde os reeducandos escaparam.

FONTE: diário pernambuco
Editado por: agentes qap

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *