Denúncias: Policiais Militares de RO condenados a mais de 80 anos de prisão recebem regalias

Momento em que a PF de Araçatuba prendeu um ex-policial Militar acusado de integrar a organização criminosa e atuar como pistoleiro. (Foto: Márcio Zeni/Tv Tem).

Conforme denúncias de servidores que não quiseram se identificar, relatam que cerca de 11 (onze) Policiais Militares de Rondônia, presos e condenados, estão recebendo vários tipos de regalias, tendo tratamento diferenciado dos demais apenados na Unidade Provisória da Policia Militar de Rondônia.

Conforme a denúncia, os acusados continuam recolhidos na Unidade Provisória da Polícia Militar, correndo o risco de empreenderem fuga a qualquer momento, já que suas penas ultrapassam os 80 anos de prisão.

Relataram que, há pouco tempo houve uma fuga de um Ex-Policial Militar o qual teria uma pena de aproximadamente 60 anos, acusado de homicídio, extorsão, cárcere privado, organização criminosa entre outros.

Segundo os denunciantes, os Policiais Militares deveriam ser transferidos para a Penitenciária Aruana, pois aquela Unidade UPES seria somente para receber presos provisórios, sendo os condenados transferidos para o Presídio, local em que se encontram outros Policiais Militares, Policiais Penais e Policiais Civis já condenados.

Comunicam também que tais Policiais Militares que estão recolhidos na UPES com mais de 80 (oitenta) anos de prisão, encontram-se trabalhando no Comando Geral da PM, na construção e manutenção do CCPM, bem como, em todo o complexo do Comando Geral.

Contudo, segundo eles, o Juiz da Vara de Execuções e Contravenções Penais da Comarca de Porto Velho, está ciente de toda situação, e que, o mesmo deveria se posicionar quanto a situação de todos os Servidores que exerceram e ainda exercem atividade de Polícia (segurança pública), ou mandaria todos para a Penitenciária Aruana ou trariam todos daquela Unidade para a UPES, o que seria mais sensato. Destacam.

Sobre a Operação e prisões

Chaules Volban Pozzebo é apontado pelo Ministério Público de Rondônia como um dos maiores desmatadores do Brasil, foi condenado a 99 anos, dois meses e vinte e três dias de prisão por crimes de organização criminosa e extorsão. A sentença é da juíza Larissa Pinho de Alencar, da 1ª Vara Criminal de Ariquemes (RO). Além de Chaules, outras 15 pessoas foram condenadas no processo.

Chaules é empresário na região de Ariquemes, dono de mais de 100 madeireiras. Ele foi preso em 2019 pela Polícia Federal durante a Operação Deforest, suspeito de liderar uma organização criminosa que invadia terras para extração ilegal de madeira.

As investigações começaram a partir de denúncias feitas ao MP-RO por moradores da região do Vale do Jamari que estariam sendo ameaçados e extorquidos pelo grupo composto por empresários, policiais, pistoleiros, entre outras pessoas.

“Consequências do crime são gravíssimas, tendo em vista que a organização criminosa liderada e ordenada pelo acusado Chaules impõe grande temor e violência as vítimas daquela região, que se veem reféns dos integrantes dessa organização”, consta na sentença.

Nossa equipe tentou contato com o comando da PM e demais responsáveis pela Unidade Provisória da Polícia Militar, mas até o fechamento desta matéria não obtivemos respostas.

 

Por Rondoniaemqap

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *