Policiais Penais de Rondônia realizam Lockdown da Segurança Pública

Servidores da Segurança Pública aderiram a manifestação nacional / Foto: Divulgação.

Os Policiais Penais de Porto Velho realizaram na tarde desta segunda-feira (22), o Lockdown da Segurança Pública, o ato ocorreu em frente a Penitenciária Urso Panda, em protesto as perdas de direitos dos servidores com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) n° 186/19 batizada de PEC Emergencial, bem como à Reforma Administrativa, que traz o fim da estabilidade das carreiras da Segurança Pública.

O Singeperon informou que o Lockdown da Segurança Pública é uma manifestação nacional, padronizada, e que todas as categorias policiais seguem as orientações de suas entidades superiores. No caso dos policiais penais de Rondônia, são a AGEPPEN e a Organização da União dos Policiais do Brasil (UPB).

De acordo com a Presidente do Sindicato dos Policiais Penais (Singeperon), Daihane Gomes, o ato acontece em todo o estado em frente às unidades prisionais.

“Nós aqui em Rondônia não podemos aceitar calados que por causa da situação da pandemia os Governos achem uma oportunidade de implantar aquilo que normalmente em outros tempos não conseguiria. Não é justo que nós que somos atividades essenciais que continuamos trabalhando sem parar sem direito a home office paguemos um preço mais alto do que de fato todos estão pagando”, disse.

A Presidente acrescentou que a manifestação foi realizada de forma pacífica, sem aglomeração. “Essa manifestação acontece para que o Governo enxergue que nós estamos todos no mesmo barco e que não se usem desse pretexto para acabar com progressão funcional como já aconteceu. Para que fique até 2036 sem nenhum reajuste salarial e agora a reforma administrativa que um dos pontos é o fim da estabilidade do servidor público. Não podemos deixar que isso aconteça, entendemos o atual cenário que todos estamos vivendo, por isso continuamos trabalhando, mas não podemos deixar que usem dessa situação como pretexto para os direitos dos servidores”, disse.

Os servidores reivindicam o auxílio Covid para continuar trabalhando, que segundo eles Rondônia é o único estado que não está recebendo o benefício. “Esse auxílio é para ter um pouco de ajuda já que não podemos parar. O plano de operacionalização da vacina contra a Covid em Rondônia coloca os servidores na 4° fase com o número de 304 doses, porém temos no sistema prisional nós temos 2.389 servidores e as outras demais áreas que também serão alcançadas. Nosso pedido é que nos coloque na fila da vacina. Não queremos passar na frente de ninguém, mas que nós estejamos no plano do Governo para ser vacinados também. A nossa vacinação é importante para a segurança de toda a sociedade”, enfatizou Daihane.

Em Rondônia, 716 servidores do sistema prisional foram confirmados com a Covid-19 e registrados 10 óbitos. Entre os presos 993 foram diagnosticados com a doença e 2 óbitos foram contabilizados.

 

Com informações Diário da Amazônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *