“Não entrei na PM para prender pai de família”, disse soldado Wesley

Eu não vou mais prender trabalhador, não entrei na polícia para prender pai de amília. Quero trabalhar com dignidade, porque sou policial militar da Bahia – declarou.

O policial militar Wesley Soares Góes, morto a tiros em Salvador (BA) após protestar ao longo da tarde de domingo (28) na região do Farol da Barra, gritou diversas palavras de ordem falando em desonra e violação da dignidade dos policiais. Com o rosto pintado de verde e amarelo, Wesley disse que não deixaria que a dignidade e honra do trabalhador fossem violadas.

Em outro momento do protesto, o policial afirmou que não iria mais prender trabalhador e que gostaria de “trabalhar com dignidade”. No protesto, classificado pela Secretaria de Segurança da Bahia como um “surto psicológico”, o policial ainda lançou bicicletas e itens de ambulantes ao mar.

Eu quero trabalhar com honracom dignidade. Eu não vou mais prender trabalhador, não entrei na polícia para prender pai de família. Quero trabalhar com dignidade, porque sou policial militar da Bahia – declarou.

O CASO

O policial militar Wesley Soares Góes, que protestou na tarde de domingo (28), na região do Farol da Barra, em Salvador (BA), morreu após ser baleado depois de mais de três horas de negociação com equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE).

A Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) afirmou que PM teve um “surto”. Wesley protestava contra em defesa dos trabalhadores que estão sem poder trabalhar e deu tiros para cima. Ele era solteiro e trabalhava na 72ª CIPM há pelo menos quatro anos.

A família disse que Wesley Góes nunca tinha apresentado surtos. De acordo com o portal Bahia Notícias, o soldado dirigiu de Itacaré até Salvador, onde ocupou a região do Farol da Barra e chegou a dizer: “Seus filhos estão presenciando sua covardia, policiais militares do estado da Bahia”.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) disse que o policial foi baleado após disparar com fuzil contra guarnições do Batalhão de Operações Policiais Especiais e terminou neutralizado.

 

Fonte: Plenonews

0 thoughts on ““Não entrei na PM para prender pai de família”, disse soldado Wesley

  1. Pretendo mim forma na Polícia Militar do estado dó Amazonas servir é proteger oficialmente cada estado brasileiro Glauciomar Alves Pires nascido em Itacoatiara nó mês de maio dia 04/05/1986AM./Oficial.n•6.015 de 31/12/1973./06.02.1985 Oreferido é verdade e dou fé./TRE./

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *