Operação Primavera II – PMRO atua preventivamente na região do distrito de Nova Mutúm

A Operação Primavera-II contou com o apoio de 14 viaturas e dezenas de policiais que permanecerão no terreno por tempo indeterminado. Participam da Operação policiais militares da capital e interior do Estado. 

Aconteceu no último dia 10, quinta-feira, a Operação Primavera-II, deflagrada pela Polícia Militar de Rondônia no distrito de Nova Mutúm.

A operação PRIMAVERA-II foi realizada após solicitação dos moradores e comerciantes de Nova Mutum, Nova Dimensão e Nova Mamoré. Segundo os moradores, a região estava sendo alvo de roubos e furtos após invasores serem expulsos da região reintegrada. Bares, mercearias e lanchonetes foram alvos de fiscalização policial.

Após as chuvas fortes, as equipes conseguiram desobstruir o Ramal Rio Madeira, também conhecido como linha 29. A obstrução causada por invasores utilizando-se de abatises, tinha como objetivo impedir que as forças policiais e moradores se aproximassem da área reintegrada no mês de outubro do corrente ano, onde culminou numa mega operação policial com apoio de 03 aeronaves e aproximadamente 300 policiais militares.

Composição da Operação

A Operação Primavera-II contou com o apoio de 14 viaturas e dezenas de policiais que permanecerão no terreno por tempo indeterminado. Participam da Operação policiais militares da capital e interior do Estado.

Segundo o major Pontes, Subcomandante Regional de Policiamento-I, a Corporação tem agido de forma preventiva para a manutenção da ordem publica na região: “Como força armada do Estado a PMRO garante o direito de ir e vir do cidadão, bem como a proteção ao patrimônio e inviolabilidade dos lares. Frisamos que até o momento não houve uso da força em nossas abordagens, apenas utilizamos a força do direito para o restabelecimento da paz social aos trabalhadores e produtores rurais” disse o major. Reforça ainda a necessidade que a comunidade continue denunciando pelo telefone 190 qualquer conduta criminosa que tiverem conhecimento.

 

Fonte: CRP-I

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *