Bolívia expulsa delegação diplomática de Maduro e fecha a porta para médicos cubanos

Também sai da ALBA (Aliança Bolivariana para os Povos da América) e da Unasul (União das Nações da América do Sul).

Pelo menos cinco pessoas morreram, aparentemente manifestantes de grupos cocalero, durante tumultos registrados perto da cidade boliviana de Cochabamba, onde houve sérios confrontos com a Polícia e as Forças Armadas da Bolívia, disse uma fonte oficial.

O representante em Cochabamba do Ombudsman da Bolívia, Nelson Cox, disse que “infelizmente temos cinco (mortos) em Sacaba”.

A nova Bolívia, por um lado, e o tandem Cuba- Venezuela , por outro . A administração provisória de Jeanine Áñez avançou hoje que concederá um mandato nos próximos dois a três dias à delegação diplomática venezuelana para deixar o país andino , enquanto se apressam em separar-se da Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América ( ALBA), criada por Hugo Chávez e Fidel Castro, e da União Sul-Americana de Nações (Unasul), um cadáver diplomático que mal “respira” nos últimos tempos.

Uma saída precipitada das organizações bolivarianas que ocorre quando o novo governo também prepara uma queixa formal contra Caracas pela suposta participação de quatro venezuelanos nos violentos protestos dos últimos dias.

A briga diplomática com a revolução bolivariana acontece poucas horas depois que o governo de Miguel Díaz-Canel exigiu das novas autoridades da Bolívia a libertação imediata dos quatro cubanos detidos em El Alto , um município próximo à capital. Os quatro, que fazem parte das brigadas médicas no país andino, carregavam duas mochilas com 90.000 bolivianos (11.700 euros), que em Havana afirmam ter sido extraídos de um banco para pagar serviços básicos e aluguel dos 107 membros da Brigada Médico trabalhando em El Alto, a segunda cidade do país.

Em vez disso, as forças policiais suspeitaram inicialmente que com esse dinheiro pretendiam pagar manifestantes violentos a favor de Evo Morales em El Alto , uma das grandes fortalezas da revolução indígena. Arturo Murillo, ministro de Estado (Interior), garantiu à CNN que em suas primeiras declarações os cubanos garantiram que seu objetivo era rebater os movimentos sociais da região.

Cuba exige que ” a integridade física de cada um de seus colaboradores seja garantida de acordo com as responsabilidades adquiridas pelo Estado boliviano “. Também garante que a Polícia verifique na sede da brigada médica que esse número, 90.000 bolivianos, é o utilizado mensalmente para pagar as despesas da delegação. “O Ministério das Relações Exteriores apela às autoridades bolivianas para que interrompam a exacerbação de expressões irresponsáveis ​​anti-cubanas e odiosas, difamações e instigações à violência contra os cooperadores cubanos, que deram sua contribuição solidária à saúde daquela cidade irmã boliviana”. Havana acrescentou em um comunicado.

O Ministério das Relações Exteriores da Bolívia disse que, após uma “longa conversa” com Havana, o governo de Diaz-Canel decidiu retirar os 725 funcionários do Caribe estacionados no país andino, principalmente médicos . Seria o segundo abandono maciço depois do Brasil depois que Jair Bolsonaro assumiu o cargo. O processo de saída já começou, com prazo que se estende até quarta-feira da próxima semana.

Os primeiros encontros do governo provisório boliviano com os grandes aliados de Evo Morales não demoraram a chegar. O reconhecimento mútuo entre Juan Guaidó e Jeanine Áñez avançou na luta com Caracas, que aumentará nas próximas horas depois de anunciar de La Paz que outros quatro venezuelanos estão entre os presos pelos protestos. Segundo o ministro Murillo, eles foram interceptados com uniformes da polícia venezuelana . “Não vamos permitir sedição neste país, não parece certo desestabilizar países com terror”, acrescentou o novo chefe do Interior.

Não é a única prisão “internacional”. A polícia confirmou que o argentino Facundo Morales, em coma após participar de tumultos e confrontar agentes, possui vários mandados de prisão em outros países . Os comandantes da polícia relacionam os feridos às FARC colombianas.

 

 

Fonte: Elmundo

Categorias:Segurança Pública

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s