Policiais cobram apoio psicológico para diminuir suicídios na categoria

Comissão de Segurança Pública reuniu representantes dos policiais para debater o suicídio entre os profissionais

Representantes das polícias sugerem medidas para diminuir índice de suicídios entre os profissionais da segurança pública. O assunto foi discutido em audiência  da Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (30), que reuniu representantes de bombeiros, policiais militares, policiais federais, policiais rodoviários e agentes penitenciários. Entre as propostas, está a adoção de apoio psicológico para esses profissionais.

O representante da Federação Nacional das Entidades dos Oficiais Militares, Coronel Elias Miller, lembra que o efetivo da segurança pública caiu pela metade do que era na década de 80. “A população triplicando, o efetivo policial caindo pela metade e o crime aumentando sensivelmente”, lamentou.

Miller alerta que a situação é preocupante, porque o sistema de segurança não garante o devido apoio aos profissionais. “Ele (policial) tem que arcar com tudo isso, sem o devido apoio do sistema na estrutura, nos equipamentos e, acima de tudo, na assistência de saúde, para que ele tenha equilíbrio diante de tanta cobrança social”, ressaltou.

O representante da polícia federal, Luis Antônio de Araújo lamentou que o órgão tenha menos de 15 psicólogos para atender toda a corporação. Já o representante da Polícia Militar do Distrito Federal, o tenente-coronel Gisleno Gomes considerou urgente a adoção de protocolos de avaliação e combate aos efeitos do estresse pós-traumático.

Formação
O representante da Secretaria Nacional de Segurança Pública, Coronel Allan Quint sobre as ações de manutenção da saúde e prevenção ao suicídio para os agentes de segurança em andamento.

“Vamos introduzir uma disciplina de qualidade de vida na formação dos novos integrantes das forças de segurança pública, nos cursos de aperfeiçoamento e também no curso superior, disseminando orientações sobre qualidade de vida, saúde física e mental”.

O deputado Capitão Alberto Neto (Republicanos-AM) destacou que um dos papéis da comissão é exatamente fiscalizar a execução dessas políticas públicas. “Nós temos que criar novas políticas para cuidar do nosso policial. Nosso servidor de segurança pública tem sido esquecido. Não é só colocar uma farda e dar uma arma, se são poucas as condições para entrar nessa guerra diária”, declarou.

 

 

Fonte: Câmara Notícias

Anúncios

Categorias:Segurança Pública

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s