Presidente do TJRO reafirma conciliação como melhor caminho para conflito entre agentes penitenciários e Executivo

Ao se pronunciar sobre o assunto, o presidente do Judiciário disse esperar “que a classe compreenda que não é atacando que haverá algum resultado.

O presidente do Tribunal de Justiça de Rondônia, Walter Waltenberg Silva Junior, recebeu, na manhã desta segunda-feira, 25, a visita da presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários e Socioeducadores de Rondônia – Singeperon, Daihane Gomes, que, durante o diálogo sobre os problemas que envolvem os conflitos com o Executivo, pediu para os agentes penitenciários sindicalizados voltarem a marcar suas horas extras, durante o período previsto para a solução dos problemas.

Daihane Gomes agradeceu a recepção e a solidariedade do presidente do TJRO, Walter Waltenberg, a quem considerou conhecedor dos anseios dos agentes penitenciários e socioeducadores. “Até então achava que não teria uma resolução mais prática e segura, mas graças à intercessão do presidente do TJRO a gente consegue, sim, visualizar um futuro mais tranquilo no sentido de resolver toda essa problemática”.

Durante o encontro, a presidente do Singeperon pediu, em vídeo dirigido aos colegas, para voltarem a marcar suas horas extras. “A gente tem o prazo de sessenta dias, a fim de que esse acordo ou essas problemáticas sejam definitivamente resolvidas e, com relação às faltas, pendências e demais demandas do Executivo que precisam ser resolvidas, nós vamos, sim, resolvê-las nas mesas de negociação e nas próximas mesas de mediação”.

Ao se pronunciar sobre o assunto, o presidente do Judiciário disse esperar “que a classe compreenda que não é atacando que haverá algum resultado. É preciso conversar com calma. É preciso mostrar para o governo a situação real da classe, toda a problemática que envolve o trabalho do agente penitenciário, para que isso possa chegar a bom termo, e, nada melhor do que nosso Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos – Nupemec, para que as partes possam chegar a um acordo. Então vamos ter um pouco de paciência”.

De acordo com o desembargador, o processo deve demorar de dois a três meses. “Mas para quem já esperou demais e para quem quer fazer as coisas dentro da legalidade, a melhor opção, nesse momento, de fato, é acreditar no trabalho do Nupemec, sob a direção do desembargador Raduan Miguel e das juízas auxiliares nesse trabalho, para que isso possa chegar numa negociação que atenda tanto aos anseios do Governo quanto aos anseios dos agentes penitenciários”.

 

 

Fonte: Tj/RO-Assessoria de Comunicação Institucional

Anúncios

Categorias:Sistema Prisional

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s