URSO BRANCO: Agentes e apenados sofrem com água de fossa a céu aberto

“É revoltante ter que conviver com esses pequenos problemas de fácil solução.” Desabafa um Agente Penitenciário.

Apesar de existir a resolução da corte interamericana de direitos humanos de 2005 e pacto interamericano de direitos humanos de 2011, em  prol de melhorias do presídio Urso Branco de Porto Velho.

Apesar das autoridades estarem de “olho” no maior presídio de Rondônia, o velho e conhecido por grandes tragédias, motins e rebeliões, a casa de detenção José Mário Alves da Silva (Urso Branco), vem passando por sérios problemas conforme denunciam servidores que não quiserem se identificar para não sofrerem represálias.

Os Agentes Penitenciários revelam que o presídio está um caos, apesar de terem abafado por muito anos as mazelas da famosa Unida prisional, eles contam que existem muitas irregularidades que precisam ser sanadas, mas só revelarão  em outras oportunidades.

Nesse primeiro momento, eles denunciam uma das precariedades, que é uma poça d’ água podre que vem do Pavilhão B, que jorram pelas tubulações das privadas, a água em estado de putrefação fica bem no acesso de onde passam os servidores diariamente. Segundo eles, o problema existe há meses e nada foi feito para solucionar o grave problema, com isso, os servidores e até os próprios apenados sofrem devido o mal cheiro, correndo sérios riscos de contraírem doenças infecciosas.

“É revoltante ter que conviver com esses pequenos problemas de fácil solução, que não necessitam de verbas, mas de apenas mão de obra dos próprios apenados, mesmo assim não o fazem, imaginem se fosse um grave problema onde seriam necessário verbas e licitações.” Desabafa um Agente Penitenciário.

Conforme os denunciantes, vários apenados também já reclamaram do problema, devido o mal cheiro que fica ao lado da cela, tendo que conviver com a poça de água podre.

Eles revelam que é inadmissível ter que passar por cima de água de fossa para poderem exercer suas funções, e que muitas autoridades visitam a unidade, mas não fiscalizam esses problemas estruturais, deixando assim os servidores e apenados à mercê do abandono.

Fonte: Rondoniaemqap
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s